Whatsapp

Fale com nossos atendente rapidamente pelo whatsapp

Ligue para Nós

Clique e faça uma ligação agora para nossa corretora

Formulário de Contato

Preencha nosso formulário para fazer uma cotação

Cuidados com o carro

seguro auto

Diz o ditado que prevenir é melhor do que remediar. Quando o assunto é carro, durante a vida útil do produto esta é uma verdade intrínseca. A prevenção deve ser praticada todos os dias, por que muitos problemas mecânicos acontecem, exatamente, por falta de prevenção. A seguir indicamos três itens, entre muitos outros, que merecem atenção.

O alinhamento de pneus, por exemplo, é um serviço importante e deve ser feito periodicamente. O termo alinhamento significa buscar o “equilíbrio em movimento” do veículo e deve ser feito quando se sente dificuldades em conduzir o carro em linha reta ou quando o veículo começa a puxar para um dos lados. O desgaste irregular dos pneus também é outro indício de que o veículo não está corretamente alinhado. O alinhamento é executado medindo e ajustando os ângulos que as rodas do veículo fazem em relação ao piso e às linhas de centro do veículo, equilibrando todas as forças que atuam no carro, tais como: gravidade, força centrífuga, força de viragem, etc. proporcionando maior eficiência de rolamento, desgaste uniforme dos pneus, melhor estabilidade e, consequentemente, mais segurança para o motorista e os passageiros. Há três tipos de alinhamento: a cambagem, isto é, o ajuste do ângulo de inclinação vertical da roda em relação ao solo. O principal indício que a cambagem deve ser executada é o desgaste irregular em um dos ombros dos pneus. O segundo tipo de alinhamento é do caster para ajustar o ângulo de inclinação do pino-rei ou do eixo de direção (linha imaginária que passa pelos pivôs superiores e inferiores da suspensão) em relação à vertical para obter estabilidade auto-centrante e direcional. Já quando há diferença de distâncias entre as partes dianteiras e traseiras dos pneus (vistos de cima), alinha-se para promover uma melhoria no padrão de desgaste dos pneus, especialmente em frenagens. O balanceamento geralmente vem acompanhado do alinhamento. Não se balanceia “pneus”, mas sim o conjunto pneu e roda. Existem duas maneiras de balancear, o estático e o dinâmico. O balanceamento “estático” pode ser feito com o conjunto imóvel. Já o “dinâmico” requer que o mesmo esteja em rotação e ajuda a corrigir problemas que o estático não consegue. Estes sistemas medem as forças geradas pelo conjunto em rotação. Quando o equilíbrio dinâmico é conseguido, o estático é automático e não tem necessidade de realizá-lo em separado. Ambas as formas de balancear evitam as trepidações no carro em velocidades acima de 60 km/h, deterioração do pneu, distúrbios de direção e comprometimento da capacidade de frenagem.

A recomendação é que o alinhamento e o balanceamento sejam feitos a cada dez mil quilômetros, mesmo que o condutor não sinta nenhum comportamento anormal no automóvel. Em contrapartida, deve-se verificar sempre que houver troca de pneus/rodas, vibração do volante ou veículo, for efetuado o rodízio de pneus, um pneu ou câmara de ar foi consertado devido a furo ou corte, se houver choque forte contra obstáculo na pista ou em buraco causando empenamento do aro, perda de contrapeso de balanceamento do aro, ou o pneu gastou excessivamente em pontos isolados. O pneu é um importante item de segurança. Se o problema não for solucionado em tempo, corre-se o risco de reduzir sua vida útil, acarretando em prejuízos financeiros e riscos para o condutor e demais passageiros.

Refrigeração
Muitos motoristas se lembram ou já ouviram falar do Volkswagen 1.300, muitos aprenderam a dirigir em um desses. O fusquinha cujo motor era refrigerado a ar, não precisava de água, mas os fusquinhas e outros “antigos” refrigerados a ar estão em extinção, pois a refrigeração a água é muito mais eficiente. Portanto, carros precisam de água e não apenas no depósito do para-brisa, mas muitos motoristas só lembram disso quando o carro esquenta demais e para de funcionar. O sistema de refrigeração, ou arrefecimento, do carro necessita de cuidados e manutenção constantes. Responsável pelo controle térmico do motor, o sistema de refrigeração ou arrefecimento funciona através de uma quantidade de água misturada a um aditivo especial que percorre tubulações internas no motor e o resfriam mantendo a temperatura adequada de funcionamento. Os principais componentes são o radiador, mangueiras, ventoinha, sensores, válvula termostática e o próprio liquido que é formado por água mais aditivo. O sistema de arrefecimento precisa de cuidados como a verificação periódica do nível do liquido que tem seu volume diminuído com o uso normal do veículo – verifica-se para completar quando necessário. Além disso, a limpeza e troca do liquido deve ser feita de tempos em tempos, sempre seguindo orientação do fabricante do veículo especificado no manual do proprietário. A falta de liquido no sistema e pode acarretar um superaquecimento do motor que entre outros danos pode causar desde queima de junta até empenamento do cabeçote, e se isso acontecer prepare-se para a retífica. A recomendação é que o nível de água do sistema seja verificado semanalmente. Se o motorista encontrar, de uma semana para outra, redução substancial do nível da água deve procurar imediatamente uma oficina, pois é uma indicação de problemas no sistema. Se o nível se mantiver relativamente estável, então basta uma limpeza e a substituição do liquido do arrefecimento a cada dois anos. Outra dica importante é a verificação do estado das mangueiras e o uso do aditivo correto no sistema. São medidas simples, mas essenciais para garantir a tranquilidade do motorista.

Cuidados com o carro

Ar-condicionado
Que alívio é o ar-condicionado no carro nos dias quentes e que tranquilidade poder manter as janelas fechadas inibindo (ou pelo menos dificultando) a prática de roubos de bolsas e outros bens dentro do carro. Manter o ar-condicionado limpo representa, além de conforto e maior segurança, saúde e bem-estar aos ocupantes do carro. Se o motorista identificar mau cheiro ao ligar o ar condicionado ou perceber a ocorrência de alergias e irritações, é hora de fazer uma limpeza no equipamento. A recomendação é fazer a higienização do ar condicionado a cada seis meses ou sempre que for necessário. A higienização consiste em uma limpeza completa no interior do veículo com aspirador de pó. Em seguida, é aplicada uma ampola de higienização, com produto especial, enquanto o ar condicionado do automóvel está em funcionamento e com todos os vidros fechados. O produto penetra nos dutos do ar, promovendo a limpeza e eliminando ácaros e fungos que se acumulam no local e que podem gerar doenças respiratórias. Entre uma manutenção e outra, a recomendação é ligar o ar condicionado ao menos uma vez por semana, por cerca de 20 minutos, mesmo durante o inverno e deixar o equipamento funcionando por cerca de cinco minutos na função “ventilar”, na velocidade máxima, para tirar toda a umidade do sistema, pois é onde se formam os ácaros e fungos.

Anderson Luis Gimenez

Anderson Luis Gimenez

Fundador e Administrador da empresa CotandoSeguro.com, Anderson Gimenez conta com mais de 25 anos de experiência no ramo de seguros onde hoje atende o Brasil todo dando consultoria em seguros para pessoas físicas e jurídicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Simule seu Seguro
Clique no botão abaixo e faça uma simulação

Whatsapp

Fale com nossos atendente rapidamente pelo whatsapp

Ligue para Nós

Clique e faça uma ligação agora para nossa corretora

Formulário de Contato

Preencha nosso formulário para fazer uma cotação

Você vai ler Sobre